Acontecimentos Brasil Crime Matérias Minas Gerais Polícia Federal

Operação Descarte combate fraude e lavagem de dinheiro em São Paulo e Minas

A Polícia Federal, em conjunto com a Receita Federal, deflagrou na manhã de hoje (1/3) a Operação Descarte, com o objetivo de desarticular esquema criminoso e profissionalizado voltado ao crime de lavagem de dinheiro, por meio do controle de uma rede formada por diversas empresas de fachada.

Policiais federais deram cumprimento a 15 mandados de busca e apreensão, em residências e empresas, nas cidades de São Paulo (9), Santos/SP (1), Paulínia/SP (1), Belo Horizonte (2) e Lamin/MG (2).

De acordo com a investigação, as empresas participantes do esquema simulavam a venda de mercadorias ao cliente do “serviço” de lavagem, que então pagava por produtos inexistentes via transferências bancárias ou boletos (para dar aparência de legalidade à aquisição). As quantias recebidas eram transferidas para diversas empresas de fachada, que remetiam os valores para o exterior ou faziam transferências para pessoas ligadas ao cliente inicial.

A investigação revelou, ainda, que empresa concessionária de serviços públicos de limpeza no município de São Paulo, a maior cliente identificada, se valeu dos serviços ilícitos dessa rede profissionalizada de lavagem de dinheiro, tendo simulado a aquisição de detergentes, sacos de lixo, uniformes etc., entre os anos de 2012 e 2017. Assim, foram repassados mais de R$120 milhões para terceiros ainda não identificados.

Uma das células do esquema criminoso remeteu ilegalmente parte dos valores para o exterior, em favor de funcionário público argentino e em conluio com operadores financeiros que vieram a ser presos posteriormente no âmbito da Operação Lava Jato.  Além disso, o grupo adquiriu vários veículos de luxo, todos registrados em nome de interpostas pessoas (“laranjas”).

Com os mandados judiciais, busca-se a corroboração das provas dos crimes descobertos até o momento: lavagem de dinheiro (art. 1º da Lei 9.613/98), evasão de divisas (art. 22 da Lei 7.492/86), sonegação tributária (art. 1º da Lei 8.137/90) e associação criminosa (art. 288 do Código Penal), bem com o aprofundamento das investigações para a coleta de indícios de autoria em relação aos crimes de corrupção ativa e passiva (arts. 317 e 333 do Código Penal).

Haverá entrevista coletiva, com a participação da Polícia Federal e Receita Federal, hoje às 10h30 na sede da Superintendência da PF em SP, rua Hugo d’Antola, 95, Lapa de Baixo, São Paulo/SP.

Notícias Relacionadas

Ação bilionária da tragédia de Mariana atrai interesse de ao menos 19 prefeituras

Redação

Com comitê na garagem da tia, Zema tem 84% de votos em sua cidade natal

Redação

Romeu Zema tem 64% das intenções de voto e Antonio Anastasia 23%, diz pesquisa

Redação

Comentários no Facebook

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais