Cidade Governador Valadares

Justiça proíbe vaquejada em Governador Valadares

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) conseguiu na Justiça uma liminar proibindo a realização da 48º Vaquejada de Governador Valadares, que ocorreria de 14 a 17 de junho deste ano, no parque de exposições de Valadares. Na decisão, o desembargador Dárcio Lopardi Mendes afirma que “não se pode admitir que os animais sejam submetidos a maus-tratos apenas por diversão”. Ele ainda estipulou multa de R$30 mil, por dia, caso a sentença seja descumprida.

A proibição foi determinada após análise de um recurso do MPMG questionando sentença da Justiça de primeira instância que autorizou a expedição de alvará para a realização do evento. Segundo os promotores de Justiça Leonardo Faria, Luciana Imaculada, Anelisa Cardoso Ribeiro e Leonardo Maia, a vaquejada, além de ser cruel, fere artigo da Constutição Federal (CF) que garante bem-estar aos animais. Várias instituições, inclusive, já teriam emitido relatórios contrários à prática.

Para o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), a vaquejada provoca estresse e lesões mentais e físicas, podendo causar até a morte de bois e cavalos. Uma Nota Técnica do Grupo Especial de Defesa da Fauna (Gedef) do MPMG afirma que os animais possuem estrutura física e mental capaz de sentir dor, angústia, ansiedade e sofrimento. “A vaquejada os expõe a maus-tratos, ferimentos e mutilações em níveis capazes de levá-los à morte”, diz trecho do documento.

Os promotores de Justiça afirmam que “a legislação brasileira protege todos os animais, colocando-os a salvo de maus-tratos e crueldade, sendo o Brasil um dos poucos países a tratar desse tema no âmbito constitucional”. Ao analisar o recurso do MPMG, o desembargador Dárcio Mendes lembrou, inclusive, que em 2013, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou a vaquejada uma prática inconstitucional e cruel.

Posteriormente, o Congresso aprovou, em 2016, lei tornando a vaquejada manifestação cultural, e, em 2017, acrescentou texto à Constituição Federal, afirmando não serem “cruéis as práticas desportivas que utilizem animais, desde que sejam manifestações culturais”. Mas, para o desembargador, essas normas estão na contramão do entendimento do STF e não asseguram o bem-estar dos animais, que é uma garantia constitucional. Ele afirma ainda que o texto de 2017 é alvo no STF de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade.

Em 2017, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), também a pedido do MPMG, já havia proibido a vaquejada em Governador Valadares, que estava marcada para ocorrer entre os dias 15 e 18 de junho daquele ano. Na decisão de 2017 e na deste ano, foi determinado que a Polícia Militar do Meio Ambiente e o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) fiscalizem o cumprimento da sentença judicial.

Fundada no Nordeste do Brasil, a vaquejada consiste na tentativa de uma dupla de vaqueiros, montados em cavalos distintos, derrubar um touro puxando-o pelo rabo, dentro de uma área demarcada.

Notícias Relacionadas

Equipes de saúde da Prefeitura de GV vão às casas conferir cartões de vacina

Redação

Adolescente de 15 anos é morto a tiros no Bairro Bela Vista, Valadares

Redação

Homem é baleado e morto no bairro Turmalina em GV

Redação

Comentários no Facebook

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais