Minas Gerais

Desemprego cresceu 77% em Minas Gerais entre 2014 e 2018

“Não existe mais emprego. Já fui ao Sine (Sistema Nacional de Empregos) mais de 20 vezes em seis meses. Está tudo parado. O cenário é de incerteza”, desabafa o publicitário Rodrigo*, 41, desempregado há mais de um ano. Além do curso superior, ele é pós-graduado em gestão de negócios e lembra que em 2011 tinha um salário de R$ 8.000. “Minha renda mensal voltou, pelo menos, dez anos”, admite. Ele declara receber, atualmente, menos de R$ 3.000 por mês com bicos na área.

A taxa de desocupação no Estado cresceu 77,6% em quatro anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No primeiro trimestre de 2014, 7,1% da força de trabalho não tinha emprego. No mesmo período deste ano, são 12,6%, ou seja, mais de 1,4 milhão de trabalhadores sem ocupação formal, segundo os dados do instituto.

“É chocante. Tive depressão numa época porque levava uma vida tranquila antes, frequentava bons restaurantes, comprava o que eu queria. Agora, mando currículo, participo de processos seletivos, quatro dias em função de uma única empresa, passando por várias fases, para no fim não dar em nada”, conta o profissional de marketing, eventos e turismo Gustavo de Paula Pinto, 39.

Entre 2010 e 2015, ele trabalhou em cruzeiros marítimos internacionais e tinha renda mensal de cerca de US$ 4.000 (cerca de R$ 14,8 mil na cotação atual). Hoje, sua renda mensal é de R$ 2.500. “Sou fluente em inglês, italiano, espanhol e francês. Nos cruzeiros, realizava eventos para 7.000 pessoas. Conheço 34 países, 150 cidades e, mesmo assim, não consigo recolocação no Brasil”, lamenta. Ele voltou para o país em 2015, quando a mãe adoeceu. “Moro na casa dela hoje porque aluguei meu apartamento para ajudar a pagar as contas”, diz. Pinto também atua como motorista de aplicativo enquanto busca um emprego. “Fui contratado por uma produtora de eventos, mas, em junho de 2017, com o mercado parado, eles não tinham mais como pagar meu salário”, lamenta.

O coordenador de trabalho e rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, explica que a crise afetou principalmente as vagas com carteira assinada. Entre 2014 e 2018, Minas Gerais perdeu 265 mil empregos formais, segundo o instituto. “(No país) Em quatro anos, perdemos 4 milhões de empregos com carteira assinada”, informa Azeredo.

“As pessoas estão com menos garantias, menos estabilidade, e, por isso, cai o consumo. Isso gera um círculo vicioso”, afirma Azeredo. Ele explica que a queda do consumo faz a produção interna cair, o que emperra a geração de novas vagas qualificadas.

Para o coordenador de política econômica do Conselho Federal de Economia (Cofecon), Antônio Corrêa de Lacerda, o fato afeta a juventude. “A crise está criando uma geração com pouca qualificação e pouca experiência porque não encontra oportunidades”, adverte Lacerda. É o caso da jovem Ludmila de Paula, 21. “Desde os 18 anos procuro meu primeiro emprego, qualquer emprego, mas é difícil, porque não tenho experiência. Até faxina está difícil de conseguir, as pessoas não querem pagar”, reclama.

* Nomes fictícios

Currículo bom demais está atrapalhando

A necessidade de ser aceito em qualquer oportunidade faz com que os candidatos escondam suas qualidades até no currículo. “Ser formado e ter uma pós-graduação pode atrapalhar. Tem informação que eu tiro do currículo porque as pessoas acham que você vai cobrar muito. Já fiz currículo em que coloquei só ensino médio”, afirma Rodrigo*. “Hoje em dia não dá para escolher muito, se aparecer alguma coisa que você não tenha experiência, você faz um curso, aprende e vai para cima”, acrescenta. Em busca de recolocação há quatro anos, a designer Flávia*, 30, diz que já mandou currículos para vagas de recepcionista e atendente. “Falaram que estava muito capacitada”, lamenta. Para ela, retirar o curso superior do currículo é uma alternativa para manter-se competitiva no mercado. Ela ainda reclama que falta retorno das empresas. “A gente manda o currículo e não recebe nenhum contato depois”, relata.

Para o profissional de marketing Gustavo de Paula Pinto, 39, a capacitação acaba sendo um problema. “Quando vou a uma entrevista faço questão de salientar que aceito qualquer remuneração, que não quero subir rápido nem tirar o emprego de ninguém”, diz. Ele admite que o tratamento chega a ser desrespeitoso. “Acho falta de educação quando vamos a uma entrevista, nos empenhamos nos processos seletivos e não recebemos nem um telefonema. Merecemos respeito”.

 

Notícias Relacionadas

Ação bilionária da tragédia de Mariana atrai interesse de ao menos 19 prefeituras

Redação

Com comitê na garagem da tia, Zema tem 84% de votos em sua cidade natal

Redação

Romeu Zema tem 64% das intenções de voto e Antonio Anastasia 23%, diz pesquisa

Redação

Comentários no Facebook

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais