• Início
  • Internacional
  • Com elites devoradas por escândalos, América Latina realiza cúpula sobre corrupção
Internacional

Com elites devoradas por escândalos, América Latina realiza cúpula sobre corrupção

A América Latina não atravessa uma grande crise econômica. A maioria dos países está crescendo. Mas a corrupção e os escândalos devoraram sua elite. O apoio à democracia diminui, vários líderes estão à beira do abismo ou de saída. Nesse contexto, começa nesta sexta-feira em Lima, no Peru, a Cúpula das Américas, encontro regional importante, concentrado justamente na corrupção. “Isso prejudica a governabilidade e a fibra moral, os cidadãos exigem ações, devemos buscar acordos”, afirmou o presidente peruano Martín Vizcarra. Ele mesmo é um símbolo: está há três semanas no cargo porque seu antecessor, Pedro Pablo Kuczynski, caiu pelo caso Odebrecht, que varreu a política regional e ainda continua causando estragos.

A corrupção pode paralisar a América Latina e prejudicar sua recuperação. Vizcarra não escondeu a gravidade do momento em que chega a Lima boa parte dos presidentes da região – com as marcantes ausências de Donald Trump, que cancelou na última hora por causa da crise síria, e Nicolás Maduro, que foi vetado porque a maioria dos Governos o considera um ditador – e enviou uma mensagem a dezenas de empresários reunidos antes da cúpula: é preciso acabar com subornos e obras fraudulentas. “O problema da corrupção deve ser tratado de forma contundente. Todos os esforços de novos empresários serão limitados se não combatermos os subornos. A concessão direcionada de obras só trará insatisfação dos cidadãos e enfraquecimento das instituições. Convido o setor empresarial a participar dessa cruzada”, disse. Não há dados precisos sobre a corrupção, mas existe um parcial que é devastador: somente a Odebrecht, de acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, pagou 780 milhões de dólares em propinas.

Os dados sobre como isso afeta as instituições são muito claros. Segundo o Latinobarómetro, a pesquisa regional mais respeitada, o apoio à democracia vem caindo inexoravelmente entre os latino-americanos de cinco anos para cá. E a corrupção tem muito a ver com isso. “É como um diabetes invisível, a corrupção, a insegurança e os abusos de poder são o trio que destrói a democracia. Estamos numa região em que o sonho democrático foi diluído pelas aspirações de poder dos líderes que passaram por cima da democracia, pelo menos na metade dos países latino-americanos” disse Marta Lagos, responsável pela pesquisa que a cada ano mostra uma maior insatisfação com a elite, que começou quando a era de ouro das matérias-primas terminou, mas que continua agora que as economias estão se recuperando.

Cerca de 45% dos latino-americanos consideram que vivem em uma “democracia com sérios problemas” e 12% acreditam que seu país “não é uma democracia”. Apenas 5% acreditam que vivem em uma “democracia plena” e o número não para de cair. A insatisfação com a democracia cresce de forma constante desde 2009, depois de alguns anos de grande declínio, enquanto as taxas médias de aprovação dos Governos caíram de 60% em 2009 para 36% em 2017. A corrupção se colocou pela primeira vez como o quarto problema, depois da economia, da pobreza e da criminalidade. É o principal problema no Brasil e na Colômbia.

Os cidadãos parecem cada vez mais indignados e os Governos caem, como aconteceu com o peruano, ou têm minúsculos índices de aprovação, como acontece com Michel Temer, que está cercado por escândalos de corrupção. O Brasil acaba, ainda, de mandar para a prisão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Não são exceções. Os escândalos de corrupção afetam governantes ou ex-governantes na maioria dos países.

Nesse contexto de fraqueza generalizada, apenas alguns presidentes se salvam, como o argentino Mauricio Macri, que mantém uma alta aprovação para a média da região; o chileno Sebastián Piñera, que acaba de retornar ao poder; o uruguaio Tabaré Vázquez, e o equatoriano Lenín Moreno, que continua tendo um forte apoio apesar dos problemas devido ao confronto com o ex-presidente Rafael Correa. Outros estão de saída, como o mexicano Enrique Peña Nieto e o colombiano Juan Manuel Santos. O próprio Temer também está em fim de mandato.

“O tema da cúpula foi bem escolhido, o problema é que muitos presidentes se sentirão desconfortáveis para falar sobre corrupção porque isso os afeta. A região está crescendo, mas de maneira medíocre, um terço do que está crescendo a Ásia, há novas demandas dos setores de classe média, que exigem dos governantes medidas contra a corrupção, a desigualdade e a insegurança. Será muito importante ver quais medidas são tomadas no financiamento da política, na transparência em relação às obras públicas e à lavagem de dinheiro”, explica Daniel Zovatto, diretor para a América Latina da IDEA Internacional. O especialista lembra que a América Latina está “no meio do superciclo eleitoral, pois 15 dos 18 países têm eleições dentro de três anos, três delas neste ano. São as eleições da irritação e do descontentamento, a indignação está gerando grandes níveis de incerteza na Colômbia, no Brasil e no México”. É por isso que a cúpula acontece em um momento de grande preocupação e fraqueza política na região.

Em outras cúpulas das Américas não houve acordo no comunicado final, mas desta vez o Peru espera alcançá-lo. As diferenças sobre outra questão central da reunião, a crise venezuelana, sempre complicam qualquer consenso. Além disso, é a reunião em que Raúl Castro se despede dos encontros internacionais, a última vez que um Castro participa de uma cúpula latino-americana, desta vez cercado de presidentes muito enfraquecidos.

Notícias Relacionadas

Furacão Florence provoca fortes chuvas nos EUA e deve inundar quase toda Carolina do Norte

Redação

Recém-nascido é resgatado de bueiro na Índia; assista o vídeo

Redação

Assassino de John Lennon tem pedido de liberdade condicional negado pela 10ª vez

Redação

Comentários no Facebook

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais